segunda-feira, 28 de março de 2011

Sem sinal

Na semana anterior aconteceu algo que há muito tempo não acontecia na minha vida. Sabem o que foi?
Eu precisei de um telefone público ou como se dizia antigamente, um orelhão.
Isso mesmo. Este artefato cada vez mais obsoleto, quase em desuso.

Celulares são maravilhosos, mas às vezes o sinal falha. Pelo menos o meu sinal que é da Oi, tem mania de me deixar na mão de vez em quando.
Então, semana passada, o sinal da Oi falhou justamente num momento em que eu precisava muito fazer uma ligação e não foi a primeira vez (e acho que não vai ser a última) que isso aconteceu. É a miséria da “lei de Murphy” sempre presente. Então, eu estando na rua, começo uma caça a um orelhão.
Logo no primeiro momento, vejo a dificuldade em achar um. É como se eu caçasse um mico leão dourado. Mas, chegando em um pequeno shopping, vejo quatro telefones em frente a este. NENHUM FUNCIONANDO!
Muito puto, continuo a andar e logo à frente vejo um orelhão com a marca da Oi. Quando chego lá, o telefone ta todo metralhado, acabado...
Ainda continuo com esperanças, e, na minha caminhada, ainda acho mais dois... depredados!
Vejo que é impossível vencer essa maratona. Talvez fosse o lugar em eu me encontrava (Boca do Rio)... talvez em outro bairro eu tivesse melhor sorte... talvez... talvez... sei lá, pô! Num acredito não!
Eu sei que vandalismo sempre existiu, mas há uns anos atrás não se encontravam todos os telefones públicos esculhambados assim. A conclusão que chego é que, além do já existente vandalismo realizado por um bando de desgraçados filhos duma puta, soma-se a negligência quase que total da Oi. Telefone público funcionando, somente dentro dos grandes shoppings e olha que nem todos funcionam, como eu verifiquei recentemente.
Pode-se pensar: “Telefone público pra que? Qualquer pé-rapado hoje em dia tem celular.”
Ok, ta certo... mas cuidem pra que a porra do sinal funcione sempre!
Ou quem sabe eu deva mudar de operadora. Mas será que seria tão diferente...?

O remédio naquele momento foi rezar para Nossa Senhora da Telefonia e pedir uma luz, um sinal...

- Alô?! Puta merda... sem sinal.
Off!
*

3 comentários:

Bruno Gomes disse...

Pois é Dibão.
Quando li o post, me recordei de um tempo quando eu era muleque em Aracajú e ficava o dia todo no orelhão da rua onde morava ligando de graça para o serviço de telefonia pública dos Estados Unidos só pra ouvir as atendentes falando em inglês hehe

Mas é isso aí, com a massificação do celular, quase ninguém mais usa telefone público.
Quando mais andar com aqueles cartãozinhos na carteira para poder ligar hehe

Abraços!

Mariane Magno disse...

"Orelhão" por assim dizer está em total crise aqui.. Esses dias tive que também apelar por seus serviços e adivinhem.. TESTEI mais de 10 orelhões, grande maioria destruídos, os outros fora de área, e ainda os que tecnicamente estavam funcionando a tecla não prestava.
Ou seja , desistir pois só um burro para insistir no erro.

Nina Navarro disse...

Dibão, como diz a minha queríssima avó quando não consegue tirar a música da partitura pro piano em cima da missa de natal "QUE PORRA É ESSA!".
Desde quando eu me entendo por ser vivo errante eu e o "Orelhão" nunca nos demos bem, lembro disse quando eu era pirralha, filava aula pra usar o então "orelhão" do colégio pra ligar pra primeira pessoa que viesse em mente (ah, crianças...) e não pegava!
Pior quando eu era guria e tentava dar uma de independente quando machuquei um dos muitos membros que tenho... Só faltei da uma cadernada no "orelhão" pra ver se aquilo funcionava e não funcionava...